splash

Mosaico de Fotos

21 de dezembro de 2012

Estamos por aí...

Faz tempo que não atualizo isso aqui, assunto não falta, mas o tempo anda raríssimo. E o que me fez ter um pouco de tempo nem é bom, Alice está febril e dormiu no sofá, coisa que só aconteceu três vezes, todas por causa de febre.
Alice faz 2 anos e 4 meses próxima segunda (hoje), continuo cuidando dela em tempo integral. Mas, voltando também a fazer coisas sozinha, enquanto o pai cuida dela. 
Ela está uma delícia de conviver, fala muito bem, constrói frases extensas com artigos, pronomes, verbos e vocabulário bem variado. Está praticamente eliminando as últimas dificuldades em sílabas com R e L, plástico, branco...e fala muito, o tempo todo.
Continua elétrica, sempre procurando fazer alguma arte e como é criativa nessas horas...
Pérolas aparecem o tempo todo, mas a maioria só curto no momento e depois se perdem na memória fraca de mãe.
E depois de 2 anos, estou voltando a ler, fazendo planos para me ocupar nas tardes do próximo ano quando Alice estiver na escola.
E o post que começou ser escrito na sexta ainda não foi terminado na segunda...
Alice ainda teve febre sexta pra sábado, sábado durante o dia, sábado pra domingo e então a febre se foi sem nenhum outro sintoma. Nem por isso deixamos de passear muito como sempre fazemos pois apesar da febre ela estava disposta como sempre.
O tempo continua acelerado, e a certeza de que fizemos a escolha certa quando decidimos que eu cuidaria de Alice em tempo integral só aumenta quando vemos ela crescendo feliz e segura, raras são as birras famosas nessa idade, é muito sociável e simpática por onde passa.

P.S.: Comecei escrever esse post na sexta, na segunda não terminei e hoje já é sexta de novo. Então bora publicar assim mesmo.



13 de novembro de 2012

Pérolas de Alice (32 de infinitas)

Alice adora brincar com a saliva, e outro dia eu pergunto:
"O que você está fazendo?"
"Tô fazendo bubble."


Alice anda descobrindo as cores diferentes de olhos, chegou em uma moça no parque, olhou pra cima e:
"Seus olhos são veides?"
"Não, são mel."
Logo depois olha pra outra moça de olhos claros:
"Seus olhos são mel?"


"Alice já falei pra não ficar embaixo da cadeira..." (cadeira que eu estava sentada)
"É pá ficá stand up?"
"Sim."
"Posso ficá sit down?"


Papai pergunta esperando Alice dizer que a mamãe fez o bolo, mas:
"Quem fez bolo de cenoura?"
"Eu."
"Quem mais?"
"O Cocoricó..."


Sentada num banco do parque:
"Que isso?"
"O braço do banco."
"Ele tem mão?"
"Não."
"Ele tem pénas?"


"A dotora tá sem fone de ouvido pá escutá o colação...cadê minha maleta?
"............"
"Achei." Coloca o estestoscópio de brinquedo e continua:
"Tô com o fone de ouvido pá escutá o colação de alguém."


Alice percebe que estou arrumada e começa:
"Que binco lindo, que esmóte lindo...você tá de batom?"


P. S.: Começamos com as aulinha de inglês, foram duas aulas de 30 minutos na semana passada, desde então Alice começou usar o vocabulário e também perguntar "O que é isso em inguêis?"

5 de novembro de 2012

Pérolas de Alice (31 de infinitas)

Estávamos nós duas na sala e Alice me pede algodão:
"Quero agodão, quero agodão, quero agodão..."
"Senta aí que a mamãe vai te dar." e vou até o quarto pego um tanto de algodão, quando entrego pra ela escuto:
"Quero algodão de comer..."
"Onde você viu?"
"Na paça."
Mamãe super atrasada, não sabia que ela sabia da existência de algodão-doce.


Alice vai mostrar sua revista de Princesas para o pai que diz:
"Que lindo seu livro de Princesas."
"Não é livo, é verista."
  

Alice no carro brincando com a mochila guia, puxava o cachorrinho pelo rabo e soltava e dizia:
"Vô levantá ele...eu vô deslevantá ele..."


Na casa de uma amiguinha que tem irmã de 3 meses, chegou perto do berço e chamo Alice pra ver, quando ela visualiza Luíza no berço solta:
"Ela tá pesa, quem vai salvá-la?"
Entendi na hora o motivo de Alice tentar pular a grade do berço antes e 1 ano e meio...


A gente ensina Alice a pedir licensa, agradecer, ser educada e então escuto ela dizer para um amiguinho que estava emf rente ao brinquedo que ela queria subir no parquinho:
"Não me atapalha." dando um empurrãozinho leve, ainda bem.


Atrasados para o  almoço e a gente voltando pra casa de carro, Alice começa pedir:
"Quero biscoito, quero biscoito."
"Filha eu sei que você está com fome, nós estamos indo pra casa pra você almoçar..." eu explico com toda calma
"Tô com fome de biscoito."


Alice vem com uma bonequinha bebê abraçando e beijando e eu pergunto:
"Qual o nome dela?
"Não sei."
"Vamos dar um nome pra ela?"
"Siiim."
"Qual nome você gosta?"
"Alice."
"Quer chamar sua bonequinha de Alice?"
"Sim."
E então eu descobri que Alice gosta do próprio nome.

4 de novembro de 2012

Pérolas de Alice (30 de infinitas)

Quando era bebezinha pai e eu combinamos de não morder Alice para que ela não aprendesse morder as pessoas, deu certo, outro dia brincando com o papai ele deu uma mordidinha nela e ela grita:
"Não pode modê, não sou comida."


Alice se enrola em lençóis, mantas e se diz sereia, depois que li a estória da Ariel quando ela se desenrola diz:
"Ganhei pénas, a sereia ganhou pénas." e me mostra suas perninhas fofas.


Alice muito manhosa na hora de dormir:
"Cuida de mim, mamãe." tradução: "Deita aqui na minha cama."
"Quero mamãe, mamãe você qué mim? Você qué eu mamãe?
  E lá vou eu deitar ao seu lado, quem resistiria???


Quase todo dia ficamos por último no parquinho e Alice sente falta dos amiguinhos, outro dia chegamos no parque a tarde e não tinha ninguém ela olhou ao redor e:
 "Cadê meus amiguinhos? Eles desapaleceram, eles tão noto lugar..."


"Qual o nome do buraco do nariz?"
"Narina."
"E o nome do buraco do olho?"
(silêncio...)


Alice estava no colo do pai que diz:
"Vou te sacudir..." e sacode ela que reclama:
"Não pode me sacudi, não sou uma maraca."


Alice vê uma parte da Terra em uma revista e fala:
"É o paneta Terra, que a gente mora."


Alice encontra um cartão de visita nas coisas do vovô Josimar e pergunta pra ele:
"É catão do seu bóg?"  
("É cartão do seu blog?" isso porque eu tenho cartão do blog e mostrei e expliquei pra ela que temos um blog, agora todo cartão que ela encontra pergunta se é do "bóg" de alguém)


P.S.: Pérolas atrasadas, era para terem sido publicadas em 29 de outubro, mas cadê tempo?????

culpa, sim!

Definição do dicionário:

culpa
cul.pa
sf (lat culpa) 1 Ato repreensível ou criminoso. 2 Responsabilidade por um ato ou omissão repreensíveis ou criminosos: "Culpa é toda violação de um dever jurídico" (C. Beviláqua). 3 Conseqüência de se ter feito o que não se devia fazer. 4 Delito, crime. 5 Causa de um mal. 6 Pecado.

Sempre ouvi, mesmo antes de ser mãe, "a culpa nasce junto com a mãe", sempre achei estranho, e depois de ser mãe discordo totalmente.  
Todos nós sentimos culpa sendo mães ou não. A grande questão é que quando nos tornamos mães o alvo dos nossos erros podem ser os filhos, então isso nos torna responsáveis diretos pelas consequências ruins do que fazemos e podemos muitas vezes visualizar o mal que causamos e isso tira o sono, gera a tal da famosa culpa da maternidade.

Depois que me tornei mãe de cara me senti culpada por não conseguir amamentar, fiz tratamento, lutei com as armas que tinha e não deu. Então passei a observar o que eu podia fazer para minimizar os efeitos do não aleitamento, investi em alimentação saudável e na minha presença para criar o vínculo mãe/filha. Deu certo e hoje essa culpa não me atormenta mais.

Logo depois de Alice fazer um aninho tive que dar papinha comprada pra Alice numa emergência, era a janta e mesmo assim fiquei me sentindo culpada por uns dias. Mas, pera aí...eu sempre fazia a comida dela, com produtos orgânicos e frescos, e ela se alimentava muito bem e no outro dia já havia voltado para sua rotina de alimentação, essa me livrei fácil, fácil.

Já me senti culpada por perder a paciência com Alice e achar que tinha alterado a voz com ela, chorei, me descabelei e...passei a me policiar para que não acontecesse novamente.

Necessitamos da culpa, ela nos faz ter o peso na consciência que pode nos fazer mudar em relação ao que está causando danos. É um aviso de que algo pode dar muito errado à curto, médio ou longo prazo. Não fazer nada em relação à causa da culpa na maternidade é condenar nós mesmas e nossos filhos.

Que toda culpa nos faça refletir e mudar nossas atitudes e que elas venham e possam ir sem causar grandes danos.

25 de outubro de 2012

Posts imaginários

Já é hora de ir pra cama e nessa hora, com a cabeça no travesseiro eles aparecem, quase toda noite, "os posts imaginários", acho que são como os amigos imaginários das crianças, só eu vejo, só eu sei da existência deles.
Mas eles existem sim e  são tantos, a maioria de assuntos muito interessantes, esse post mesmo é um post de um post imaginário...entenderam????
E os posts imaginários não aparecem apenas a noite antes de dormir, pode ser em qualquer lugar em que Alice me deixe pensar um pouco mais do que cinco minutos.
Agora lá vou eu pra cama na companhia dos meus posts imaginários...

Nem mês, nem dia, nem hora...

Está decretado que o "desfralde" por aqui vai acontecer da forma mais natural possível e no timing de Alice. Depois de ler muito, de pesquisar muito, de queimar muitos neurônios pensando, cheguei à conclusão que não posso decidir a hora de tirar a fralda, Alice quem vai decidir.
Mas isso não quer dizer que vamos ficar de braços cruzados esperando.

Alice está sendo preparada para parar de usar fraldas desde sempre. Sempre me acompanha quando vou ao banheiro, sempre falo com ela, e sempre lidamos com o xixi e coco de forma muito natural.
Compramos um redutor de assento com escadinha, para ela já passar da fralda para o vaso sanitário, desde que chegou estava guardado, então semana passada Alice começou tirar a fralda, eu perguntei se ela queria usar calcinha e ela gostou da idéia, depois ofereci a escadinha para ela fazer xixi no vaso, ela adorou a ideía.
E assim passamos boa parte da tarde, Alice sentada no vaso, tentando fazer coco que ela já havia feito pela manhã, chorando por não conseguir, e não querendo sair do banheiro, foi tenso minha gente.

Desde então a escadinha fica no banheiro, ela jaz fez coco e xixi lá. Sempre lembro e ofereço, às vezes ela vai senta e não sai nada, mas vai se acostumando com a idéia.
Tem dias que ela pede para tirar a fralda, coloca calcinha, tira calcinha, fica pelada...e assim vamos, sem pressa alguma e um alívio danado no meu coração por ter decidido fazer dessa forma.





23 de outubro de 2012

Pérolas de Alice (29 de infinitas)


Brincando com um camelo, um elefante e um dinossauro que ganhou do vovô Josiamar:
"O camelo mora no deséto. Onde o elefante mora?"
"Na África, na savana africana."
"E o dinossauro?"


Falo pra Alice:
"Sabe quem vem aqui hoje? A Elaine." (moça que limpa aqui em casa)
e ela pergunta:
"Ela vai bincá comigo?"


Alice coloca pulserias no dinossauro e eu pergunto:
"Você colocou pulseiras no seu dinossaruro?"
"Eu empestei pá ele."


O tempo todo Alice pergunta o nome das coisas, o pai limpando o nariz dela:
"Qual o nome desse buraco?"
"Narina."


"Que cê tá fazendo mamãe?"
"Estou fazendo arroz."
"Não tá fazendo macarrão?"
 "Não."
E Alice me vê pegando o tempero com o cabo da colher que não cabia no pote...
"Não é assim, não é assim."


Entra um homem no elevador falando no celular e Alice no triciclo começa:
"Qual o nome dele?"
E eu vou respondendo baixinho:
"Não sei."
"Qual é seu nome?" olhando pro cara que nem dá confiança
"Você vai pô parque também?"
Nunca o elevador demorou tanto.


Na espera pela sessão de cinema Alice se enturma com um menino de mais de 4 anos, fofo, sentamos juntos e ela abraça o braço dele e fala:
"Você  é bonito."
"O que?" perguntou eu sem acreditar no que tinha ouvido e ela repete:
"Ele é bonitinho."


Chamamos o porteiro em casa para contratar o serviço dele de pintor, enquanto o pai tenta conversar Alice entra no meio deles, olha pra cima e fala:
"Vamo bincá, Vómi? (Valmir)
"Brincar do que Alice?"
"Vamo fazê comida com eu."


Mais tarde explicamos que o Valmir vai pintar as paredes do seu quarto, tentando que ela escolhesse a cor, mas toda vez que falamos, o Valmir vai pintar seu quarto ela completa:
"Eu e o Vómi, nós vamo pintá..."
"Não, filha, só o Valmir."
"Nós dois?"
"Olha Alice o mapa de Belo horizonte..."
"Eu moro aqui, eu moro aqui."

18 de outubro de 2012

Escola (parte 1)

Alice está oficialmente matriculada para estudar no próximo ano quando estará com 2 anos e meio.
A princípio não tínhamos a intenção de colocá-la antes de 3 anos (concordando com o pediatra dela) , mas observando Alice decidimos que já está na hora dela.
Primeiro, ela pede para ir pra escolinha desde que visitou a escola dos primos pouco depois de fazer 1 aninho.  Segundo, ela já se comunica verbalmente com facilidade. Terceiro, os dias estão cada vez mais longos com Alice em casa na parte da tarde. Sinto que ela precisa de um lugar que possa desenvolver outras habilidades, conhecer outras pessoas e ambiente. Estar um pouco londe de mim que cuido dela desde que nasceu. Quarto, encontramos a escola que acreditamos ser a melhor para esse momento dela.

Mesmo percebendo tudo isso ainda estava insegura quanto ao início das aulas, se ela vai ter segurança em ficar na escola sem a presença minha ou do pai. Mas para eu ficar um pouco mais tranquila recebemos aviso três semanas atrás que não poderíamos mais acompanhar Alice durante a aula de Musicalização que ela frequenta uma vez por semana desde que completou 1 ano.
Decidimos sair gradativamente da sala de aula, então semana passada o pai ficou no jardim da escola e eu levei Alice até a sala de aula, com a intenção de ficar uns 10 minutos e depois sair, mas quando ela soltou da minha mão e entrou, eu falei que esperava por ela lá fora, fechei a porta e sai sem pensar...
Sentei ao lado do marido e ficamos lá olhando pra porta esperando a hora que a professora viria com Alice chorando e querendo a gente. E o tempo passou, e a aula terminou e aí sim, Alice veio toda sorridente e feliz encontrar o papai e a mamãe que estavam mais perdidos do que cego em tiroteio.

É um sentimento maluco, bate uma vontade lá no funco dela chorar e me querer e sentir minha falta e bate um orgulho danado por ela ter autonomia para ficar sem a nossa presença e se sentir bem mesmo, não se sentir abandonada, e não precisar de tal da "adaptação".
Hoje teve outra aula e pensei que podia ser diferente, ainda esperei que ela só pedisse pra eu entrar junto, mas que nada, dessa vez nem precisei levá-la até a porta da sala de aula, fiquei abandonada antes da porta de entrada da escola e lá foi ela com a professora dela, mas que somente apresentou as crianças para uma professora que veio substituí-la na aula dessa semana.

É isso, estou me adaptando ainda, e também me preparando para ficar a tarde toda sem minha pequena no próximo ano. Me sentindo abandonada, mas eu vou me adaptar. Sei que vou...



14 de outubro de 2012

Pérolas de Alice (28 de infinitas)

 Alice vê as luzes de um avião da janela da nossa sala e pergunta:
"Que aquilo, que aquilo? Uma estela voando????"


Brincando com apliques de florzinhas de plástico da vovó:
"Amarelo, laranja, azul, amarelo tansparente."


Essa aconteceu faz umas duas semanas:
Papai estava mostrando uma foto da Alice com o Papai Noel e ela pergunta, mostrando o Papai Noel:
"Quem tá fantasiado?"


No parquinho apareceu uma bola com o Globo Terrestre desenhado e Alice vê um menino brincando:
"Ele tá chutando o paneta terra, tadinho do paneta terra."


Alice vê batata palha daquela bem fininha no prato do pai e pede:
"Quero macarrão."
"Isso não é macarrão."
"Me dá espaguete pu favô..."


Alice precisou de atendimento médico por causa de vômitos, quando estávamos saindo do consultório falamos para ela:
"Agradece o doutor, filha."
"Obigada, você me consertô."


Alice vem ao meu encontro pedindo:
"Quero dinheiro, quero dinheiro."
"O que você quer comprar?"
Ela pensa, pensa,  olha ao redor e solta:
"For, rosa pá por ali em cima..." mostrando o lugar que penduro orquídeas.


"O que galinha come?"
"Milho."
"Que mais?"
"Pipoca." falo, lembrando de um episódio da Casa do Mickey".
"Que mais?"
Ah, sabe que mais galinha come? Minhoca!
"Não, minhoca não é comida."


O pai penteando o cabelo da Alice e ela pede:
"Deixa eu, deixa eu..."
"Você é pequenininha, o papai tem que te  ajudar pentear o cabelo."
"Deixa eu me ajudar, deixa eu me ajudar."


Depois do almoço, coloco uma blusa e calça estampada com babado na barra para sairmos, mas Alice diz:
"Estou de pijama, me dá leite pra eu dormir"


Entramos no elevador e um senhor entra junto, então Alice pergunta:
"Você vai pra nossa casa?"


O pai sai com Alice na manhã do dia 12 e me deixa dormindo, quandop voltam ele me conta que explicou que é Dia das Crianças, então eu pergunto:
"Sabe que dia é hoje, filha?"
"Sim, dia da Alice."

P.S.: Papai tirou férias, viajamos e as pérolas atrasaram e muuuitas se perderam pelo caminho de muita diversão que tivémos nessas duas últimas semanas, essas se salvaram.

28 de setembro de 2012

Passa batom em mim

Faz um tempo que Alice se interessa pelos meus esmaltes, repara na maquiagem. Faz de conta que passa batom, finge lixar as unhas, essas coisas de menina imitando a mãe. Mas até hoje nunca tinha demostrado vontade de usar nela.

Eu sabia que ela pediria logo e esse dia chegou. Hoje, brincando de beijar pedaços de papel e me dar eu também beijei de batom e dei pra ela e depois de alguns beijinhos no papel ela pede, mostrando a própria boca: "Passa batom em mim."

Well, well, eu sou daquelas que não curte mesmo criança com maquiagem ou esmalte, por dois motivos:
-meninas são naturalmente lindas, e devem aproveitar isso, essa não necessidade de se enfeitaram, essa liberdade de estarem sempre prontas sem artifícios;
-e o mais importante, esses produtos podem causar alergias, e não é só no momento que passam, o uso precoce de certas substâncias podem causar alergias ao longo da vida.

Então eu peguei minha menininha no colo, e expliquei que criança não usa batom, só gente grande. Questionei, se ela já viu as amiguinhas de batom, ela disse que não. E falei que ela podia fazer de conta.
Alice desceu do meu colo, pegou uma colher rosa e "passou batom" toda feliz, simples assim.

Sei que outros pedidos virão, por enquanto dá pra segurar assim na base da brincadeira.

Feita com editor de imagens, só pra ter uma idéia da diferença...


27 de setembro de 2012

A garotinha

E de repente, não mais que de repente Alice se transformou, demorei alguns dias para reconhecer minha filha nessa criaturinha cheia de vontades e birrenta e chorona e nervosa e....

Foi assim, numa bela tarde de muito calor, como no dia anterior peguei a caixa de brinquedos para encher de água e ela brincar um pouco antes do banho da tarde, coisa que ela sempre adorou. Coloquei os brinquedos, liguei chuveiro e quando chamo a minha Alice, uma outra garotinha responde que não quer tomar banho, insisto pouco pois não era uma necessidade daquele momento e deixo pra lá.

A noite na hora do banho essa garotinha diz novamente que não quer tomar banho e dá trabalho pra entrar no chuveiro e chora muito e grita e  a mãe chora...

Na noite seguinte a mesma coisa, não queria tomar banho, então tentei mudar a rotina (eu entro no chuveiro, pai tira a roupa da pequena, me dá ela, depois pega para levar pro quarto e colocar pijama), levei a tal da garotinha para o banheiro, fechei a porta e disse que nós duas íamos tomar banho juntas, então ela se rebelou pra valer, e quanto mais eu tentava acalmá-la, mais ela chorava e gritava e  começou a dar tapas nela e me acertou também, eu apenas virei ela na direção do bidê e ela continuou estapeando o coitado, descontroladérrima, eu tive que intervir pois sua mãozinha já estava ficando roxa.

Desisti e chamei o pai, ele entrou pegou ela no colo, e enquanto ela gritava, esperneava, (ela só não xingou por que ainda não sabe) ele tirou sua roupa e me deu a garotinha, eu chorava embaixo do chuveiro e pensava em levar na psicóloga, benzer, e tentava achar uma explicação para aquela cena.

Depois desse episódio mais assustador, conversei com algumas mães com filho na mesma idade, e todos eles foram abdusidos, todos com os mesmos sintomas. Ufa, pelo menos não somos os únicos pais com filhos surtados em casa.

Mais tranquilos, pai e eu decidimos pela firmeza com as coisas que são essencias (banho, hora da comida, hora de dormir...) e mais flexíveis com outras, para nos poupar de tanto estresse. Essa garotinha (até que nossa Alice volte) pode escolher uma roupa, pode não querer tomar o banho da tarde, pode não querer ir ao parquinho...)

Depois da birra para não tomar banho em que o pai colocou a garotinha embaixo do chuveiro, nas noites seguintes, avisada que é hora do banho, ela reclama, e é notificada que vai tomar banho sim, quer queira quer não. E ela tem reclamado muito pouco. Acredita que ontem, durante a reclamação para não tirar a roupa, a gente pegou ela rindo, RINDO minha gente, como se aquilo fosse uma brincadeira legal de fazer com o pai...

 Percebemos que a garotinha ainda tem nossa Alice dentro dela, pois Alice é bem esperta, entende o que explicamos rapidamente e entendeu que esse tipo de birra não vai funcionar por aqui.

E em pouco dias tudo se tranquilizou novamente, Alice está numa fase adorável, brinca, conversa, está carinhosa. Mas eu continuo ouvindo um tic tic tic tic, me alertando que a garotinha pode explodir a qualquer momento...

26 de setembro de 2012

Responsabilidade e equilíbrio

Ah, a maternidade e todas as reflexões que ela traz...ou não.
Quando escutei o chorinho de Alice na maternidade e a peguei nos braços pela primeira vez a única coisa que bateu forte, mas forte mesmo, foi um sentimento de responsabilidade absurdo.
E o tempo foi passando e de repente Alice completou dois anos, e eu completei dois anos como mãe/cuidadora período integral. A responsabilidade é realmente grande e ainda assusta.

Mas o que tem me consumido os neurônios por agora é a busca pelo equilíbrio, se é que mulher+maternidade+esposa+alguns dias de TPM+terrible twos combine com a palavra equilíbrio, né.
E aí mesmo que o bicho pega, nesse tempo de mãe/blogueira e com contato ao vivo com outras tantas mães eu sinto uma falta de equilíbrio enorme no maternar. Essa é a minha percepção, só minha, apenas minha??? Claro que não, acredito haver muitas outras mulheres/mães que se sintam assim também.

 Eu ando por aí e vejo muitas correntes, tem da alimentação saudável, do attatchment parenting, do "sou mulher/mãe independente e meu filho vai pro berçário com 6 meses, é bom pra independência dele", tem gente a favor das palmadas e do deixar chorar, tem de TUDO.
E eu tenho uma dificuldade enorme em aderir a tais seguimentos, já parei de seguir muitos blogs por não conseguir ficar lendo sobre o mesmo assunto como se não houvesse um conjunto de coisas importantes na criação de um filho. Acho perigoso demais a gente se fechar à uma doutrina, uma filosofia, um tipo de alimentação, a vida é plural demais e quando acreditamos demais em algo a tendência é pararmos de questionar e o próximo passo é a não evolução.

Levando esses pensamentos para a maternidade eu sempre questiono, o  que é importante nos cuidados com um filho, quais são as prioridades, o que não pode faltar de jeito nenhum e o que é opcional????????
O que eu acho ser bom pra Alice é realmente bom pra ela???? Me preocupo com a saúde física, e também com a saúde emocional, e com a educação formal e...e...e...e penso, e questiono junto ao marido e vamos moldando a nossa família.

Equilíbrio é difícil demais, mas pelos menos pensar sobre isso já nos dá a oportunidade de estarmos abertos e disponiveis para tentar conseguir chegar o mais próximo possível de uma vida balanceada.
Penso, logo insisto nessa busca e que Deus me ajude, amém!

24 de setembro de 2012

Pérolas de Alice (27 de infinitas)

Alice brincava com várias crianças dentro de um canteiro desativado no parquinho quando uma mãe entra, ela olha pra cima e fala:
"Aqui é lugar de quiança..."
"Tá bom Alice, você está certa." diz a mãe saindo do canteiro e morrendo de rir.


Pai chega em casa e percebe que o nariz de Alice está sujo, então fala:
"Vamos limpar o nariz com sorine?"
"Eu limpo com o dedo."


Alice e papai brincando no quarto, papai montando coisinhas com os pinos mágicos,
então Alice reclama:
"Para de montar, vem dançá comigo píncipe Éric."


Um dia Alice não queria vestir blusa pois estava "fantasiada" de sereia enrolada na manta do sofá, então o pai explicou pra ela que sereias usavam tops, que eram blusas pequenas que mostram a barriga, então outro dia ela pegou a Jasmine e falou:
"A Jasmine tá de top."


Depois que Alice e eu cortarmos o cabelo, eu estava pagando quando o papai sai com Alice pra calçada e ela começa chorar desesperada, eu vou até eles achando que que ela chorava por ter se afastado de mim e ela grita:
"Eu não quero ir embora da cabelereeeera..."


No parque Alice vê a lagoa com a água bem esverdeada e depois de um tempo pede:
"Vamos procurar a lagoa azul?"


No cinema, logo após começar o filma, eu não paro de olhar pra Alice, pra ver se ela está gostando, se os óculos 3D estão certos então ela fala:
"Mamãe."
"Que?"
"Você não tá assistino o filme." 


Biblioteca no Parque, Alice e eu adoramos!







19 de setembro de 2012

Sendo mãe e aprendendo...

Era sábado a noite, Alice já havia dormido, eu fazia as unhas na sala e marido assistia TV quando a pequena começou chorar. O papai que foi socorrer e deu um grito, quando cheguei no quarto Alice acabava de vomitar no colo do pai e na cama estava toda a janta e leite. Eu então perguntei: "O que eu faço?" toda perdida e o pai: "Vai ter que estragar suas unhas..." Eu não estava pensando nas unhas...eu não sabia mesmo o que fazer com a situação...(aliás as unhas foram salvas pela cobertura da Risqué para brilho e secagem rápida, minha gente, fuciona mesmo, eu tinha acabado de passar na última unha, dei banho na Alice e a unhas não estragaram...)

Primeiro pensei que fosse um caso isolado de estômago muito cheio, mas enquanto o pai limpava a cama da pequena, deitei ela na nossa cama e ela pediu água. Já parecia estar dormindo novamente quando começa vomitar a água.
Lá fomos nós para o sofá e outro vômito, e outro. Então eu falei: "Vamos para o pronto atendimento." E lá fomos nós no meio da madrugada. Na entrada do hospital outro vômito, tive a certeza de ter tomado a decisão certa em procurar uma orientação mesmo sendo quase 3:00 da manhã.
Não tinha quase ninguém na emergência, e fomos atendidos dentro de 20 minutos. O médico escutou a gente, examinou Alice, avaliou o quadro e disse que poderia ser intoxicação alimentar ou gastroenterite. Prescreveu injeção de anti vômito para ser aplicada no hospital e espera de 50 minutos, dar pedialyte e se não houcesse vômitos podíamos ir pra casa.
Alice se assustou muito com a injeção intramuscular no bumbum, ela só tinha tomando vacinas na coxa. Depois disso ela só pedia: "Vamos pá casa?" e se agarrava na gente. Ela já estava acordada desde antes de meia -noite e já eram quase 4:00 e nada dela domir. Passados os 50 minutos tentamos dar pedialyte mas ela não aceitou dejeito nenhum. Fomos para casa assim mesmo pois ela estava muito insegura no hospital, dormiu assim que entrou no carro.

Pela hora que ela dormiu pensei que acordaria tarde, mas que nada, às 8:00 já estava acordando e pedindo leite. Demos o anti vômito e  metade da quantidade de leite que ela costuma tomar e um tempinho depois ela vomitou tudo. Demos o antivômito novamente e ela conseguiu comer 3 pãezinhos de queijo daqueles pequenos e pedia água, água. Não conseguimos dar o soro, nem gatorade, nem os sucos que ela gosta, só água e ela vomitou novamente.

Na hora do almoço fiz uma sopinha de fubá, carne moída e legumes ralados, bem suave, ela comeu algumas colheres.
No meio da tarde começou a ter febre, medicamos e ela vomitou (dessa vez por causa do medicamento) demos novamente e parou no estômago e ela dormiu. Depois disso, foi só dormir, acordar, tomar água, ficar quietinha sem falar e sem brincar, nessa hora eu entendi o significado da palavra prostrada, que eu já achava feia, ficou assustadora também. Foi assim até 1:00 da manhã, quando ela acordou, fomos para sala, dei pão de queijo (eu tinha assado antes de ir dormir, pois ela ama e sabia que seria útil nessa hora) ela comeu um pouco, bebeu água, e ficamos na sala até mais de 2:00, quando percebi que ela estava com sono, coloquei ela na sua cama e deitei na cama ao lado.

As 4:00 tinha dose de anti vômito e então a mãeloka tentou colocar a colher com remédio na boca de Alice sem ela acordar...ela não só acordou, como vomitou o lanchinho do meio da noite. Decidimos parar com os medicamentos, ela não tinha mais febre e as 3 últimas vezes tinha vomitado justamento por causa do remédio, não fazia sentido continuar.

Alice não dormiu mais, estava visivelmente melhor do que na tarde anterior, brincou deitada no chão sala, acho que por estar fraca demais, mas deu um jeitinho de brincar, limpou a sala toda com o cabelinho. Tomou leite em duas etapas e não vomitou, mas também não aceitou outra coisa, além de água. Pouco depois das 11:00 dei um banho e ela apagou na cama, achei bom pois ela estava muito cansada. E ela dormiu, dormiu, as 15:00 comecei a ficar muito preocupada, ia no quarto toda hora, e ela estava com sono tranquilo e sem febre. As 16:00 acordei a pequena, ela levantou de bom humor, pedindo leite: "Faz leite pá mim." Tomou leite e não vomitou, ufa...

No final da tarde pai e eu começamos passar mal, Alice estava melhor, comeu um tiquinho de sopa de lacinho que ela adora. A noite seguimos com a rotina, banho, leite e cama. Alice dormiu a noite toda e quando acordou ouvi: "Faz leite pá mim, vamos pá sala? Você é uam gatinha, faz miau..." Eu estava péssima, tinha tido febre na noite anterior, vomitado, mas fiquei numa felicidade de ver Alice toda animadinha de novo.
Passamos a terça em casa, Alice aprontando e mamãe no sofá, na cama...

Conclusões sobre o ocorrido:

Alice nunca tinha adoecido antes desse episódio. Tinha tido indisposições apenas.
Pai e eu não sabemos nada de remedinhos ou procedimentos para esses casos.
É muito bom conhecer a cria, para saber o que oferecer para comer, e a hora de parar o medicamento (quando este pode ser interrompido)
Alice é magra, mas é forte mesmo. Ter sempre sido caxias com a alimentação dela valeu a pena, vale a pena.
Vou precisar de paciência para Alice voltar a comer o de costume novamente.


No sofá, domingo a tarde...

Dando um jeitinho de brincar na segunda de manhã...


Quarta de manhã, totalmente recuperada!


P.S.: Toda vez que passava mal, que algo doía, que ela foi judiada (injeção, remédio na marra) Alice falava: "Aaaah, ma-mãe..." sentida, chorosa, de cortar o coração mesmo.



17 de setembro de 2012

Pérolas de Alice (26 de infinitas)

 No caminho, voltando do parquinho:
"De quem é aquela casa?"
"Não sei filha, a gente não conhece todo mundo que mora nas casas."
"É das pessoas."


Alice me vê ralando uma abobrinha e pergunta:
"Mamãe o que você está lixando???"


"Tansformei em Alice"
E rola pelo sofá:
"Tansformei em bichinho."
"Que bichinho?"
"Uma Joaninha."
Rola novamente pelo sofá:
"Tansformei em Alice..."


Alice ganhou uma lembrancinha de aniversário feita com pote de papinha, quando estamos vindo embora de carro ela puxa o tecido que cobria a tampa, fica surpresa e grita:
"A papinha de usso, o usso tava na festa..."


Alice entra no carro balançando a cabeça e olhando para o nariz dizendo:
"Meu naliz não balança, meu naliz não balança..."


No carro...
"De que o papai tá?"
"De blusa cinza e calça jeans."
"De que a mamãe tá?"
"De blusa lilás e short jeans e você?
"De remelho."
"E sua bermuda?"
"É cololida." (listrada de vermelho, azul e amarelo)


Na loja de colchões:
"O que o papai tá fazendo?"
"Comprando colchão." e mostro um colchão de cama box que Alice está encostada:
"Parece uma cama..."


Alice roda, roda e quando para fala:
"Tá rodando a nossa casa..."


O pai arrumando a cama da Alice e al vai subindo?
"Alice não sobe na cama que vc está com o pé sujo."
"Você tá com o pé limpinho?"

Brincando de esconde-esconde pela casa, eu e Alice escondidas atrás da porta do banheiro e o papai procurando:
"Vocês estão no quarto?"
"Nãão..."

Na hora do almoço:
"Que bichinho gosta de "istooo-gonofe?"


"Papai vc é um píncipe."
"E você é uma princesa."
"Não, sou uma bailarina. Póe ropa de píncipe papai..."


Voltando do parquinho, sob o sol quente, Alice empaca numa calçada, faltando uma lajota:
"Tá faltano um...alguém istagou, alguém istagou o caminho."
E a mamãe tentando fazer a pequena continuar indo pra casa.

 Na sala de espera do dentista, Alice escorregando os pés:
"Alice para."
"Estou patinando."
"Não é lugar pra patinar e você não está de patins."
Vamos compá um patins pá mim?

 Eu tentando organizar algumas coisas e Alice vem:
"Qual o meu nome?"
Eu distraída coloco o meu sobrenome que ela não tem:
"Alice Fregnani Barbosa Rosa."
"Não, esse não é o meu nome."
"Qual é seu nome?"
"Alice Fregnani Rosa."


Alice anda imediatista demais, quer tudo na hora e temos ensinado ela a pedir com educação e esperar, então que se deu o seguinte diálogo:
"Quero água, quero água, quero água." (gritando sem parar)
"Como que pede Alice?" (falo olhando pra ela com muita calma)
"Água pu favô, palavinha mágica pu favor..."




Aqui estão pérolas de duas semanas, nem sei o motivo de não ter publicado semana passada, não lembro.
Na semana que passou Alice começou a se interessar pelo interior das coisas, muito engraçado, ela pergunta, olhando para o planeta terra: "Que tem dento da terra?" depois vem com cotonete para limpar meu ouvido e pergunta: "Que tem dento de você?" e depois vem com uma caneta: "Que tem dento da caneta?" e lá vou eu desmontar a caneta para mostrar.

Também escutei o primeiro "por que?" Alice via um desenho da Casa do Mickey quando perguntou:
"Não foram pá marte pu que?"
 Fiquei emocionada igual quando ela estendeu a mãozinha pela primeira vez para pegar um objeto que nem respondi sua pergunta...

11 de setembro de 2012

Passeio sem fotos

Eu sou maluca por fotografia desde muito pequena. Guardo as fotografias muito antigas que eram dos meu avós como relíquia. Desde que comprei a minha primeira câmera digital mais de 8 anos atrás que eu praticamente tiro fotos todos os dias da minha vida.
Agora imaginem o tanto de foto que Alice tem...eu não faço a mínima idéia.
E domingo a tarde fomos passear no Museu de História Natural da UFMG aqui perto de casa e eu resolvi não levar a câmera. Foi divertido participar de tudo sem estar olhando pela lente da câmera e estranho não ter imagens agora para contar como foi.
O museu tem uma mata densa ao redor e Alice chama de "foresta", viu cutias, miquinhos nas árvores, tartaruga e peixes, muitas borboletas. Andou e correu muito. 
Adorou ver o dinossauro "gigante" da entrada e queria levá-lo para casa. Vistou uma caverna feita na entrada da parte que mostra pedras brasileiras e adorou as "pedas coloridas".
Viu os esqueletos de dinossauros como sendo algo natural. Subiu em mim imitando uma preguiça quando viu o esqueletos de uma Preguiça Gigante. Procurou bichinhos na "foresta" e se aconchegou para descansar um pouco no colo da mamãe ou no cangote do papai.
Viu mapa do "paneta terra" e pediu pra ver o "paneta Maite", encontrou uma menininha de vestido e chamou de "pincesa". Procurou sapos por todo lado, ela é doida pra ver sapo de verdade, mas nunca encontramos.
Ficamos umas 2 horas no museu e foi bom demais. Na próxima vez levo câmera, mas também vou fazer mais passeios sem ter que tirar fotos com certeza.

10 de setembro de 2012

O choro atrasado e não convidado

E sem aviso prévio minha pequena começou chorar, chorar, chorar, com motivo, sem motivo, quando quer algo, quando não quer algo...
E eu que sempre tive medo, pânico de choro de criança estou perdidona nessa nova fase. Alice foi uma bebezinha muito calma, quase não chorava, é mais fácil dizer que resmungava quando estava com fome ou queria algo. Chorar, chorar pra valer foi uma vez, logo depois de completar um mês de vida. Pareceu um caso de cólica (que era meu outro pânico da maternidade) o pai chegou em casa do trabalho e encontrou Alice chorando no meu colo e eu chorando em cima dela. Passei dias tensos esperando outras crises de choro mas elas não vieram.
Alice chegou aos 2 anos praticamente sem chorar, e se eu que tenho pavor de choro, registrei assim na minha memória podem acreditar que ela não chorava. Qualquer 1 minuto de choro me irrita profundamente.
Acontece que Alice passou a chorar várias vezes ao dia, faz uns 10 dias que isso tem acontecido e está piorando e me deixando maluquinha. Por não suportar choro eu tenho a tendência a satisfazer a vontade dela para parar com o choro e sei que não devo fazer isso.
A pior hora tem sido na hora de dormir. Alice saiu do berço para cama com 18 meses e desde então pai e eu damos boa noite, saímos do quarto e ela dorme sem problemas, algumas vezes levanta ou chama, mas dorme sozinha.
A primeira noite que isso aconteceu, eu acabei fazendo ela dormir no colo sentada na cadeira ao lado da sua cama, e morrendo de dó, pensando no que ela poderia estar sentindo...
Acontece que ontem eu prestei muita atenção em como Alice estava antes do nosso ritual do sono (banho, leite, escovar dentes, contar história e boa noite) e ela estava super bem. Assim que eu comecei dar boa noite ela começou se agarrar em mim e chorar. Tentei sair do quarto e ela veio atrás chorando, chorando. Voltei tentei colocar ela na cama e ela se agarra com toda força em mim. O pai tentou e ela chorou, chorou...e eu fiquei prestando atenção no choro, as lágrimas escorrem,mas o choro muda de intensidade facilmente se ela prestar atenção em algo. Tem hora que ela parece brincar com o choro, fazendo sons diferentes.
Papai e eu voltamos juntos para o quarto, pedimos para ela parar de chorar pra ouvir a gente. Lembramos ela que é a cama e o quarto dela, que foi feito com carinho, que ela precisava dormir para descansar, que a mamãe tinha coisas pra fazer e o papai também, e assim que ela percebeu pra onde a conversa estava levando, começou chorar novamente, e nós saímos do quarto. Ela veio atrás, eu peguei no colo, sem falar nada e devolvi ela na cama. Ela levantou chorando e dessa vez o pai pegou ela no colo, disse que mamãe e papai gostavam dela e que estariam por perto e que ela precisava dormir e devolveu ela na cama. Dessa vez ela parou de chorar e...dormiu.
Está sendo muito difícil, muitas vezes não sei como agir. Ela pede leite e buáaaa se acha que está demorando, eu peço para ela parar de fazer algo e buáaaa, ela deixa algo cair no chão e não cosnegue pegar e buáaaa...
São 9:30 da segundona e Alice já chorou duas vezes, e estou tentando pedir para ela parar e falar direito, esperar, pedir as coisas dizendo por favor, vamos ver como vai ser o resto do dia.

Aceito muito bem sugestões de como lidar com essa situação...

6 de setembro de 2012

Pérolas de Alice (25 de infinitas)

 As pérolas estão atrasadas, são publicadas na segunda de toda semana, e também a maioria se perdeu na memória fraca da mamãe e no tempo que não foi suficiente para sentar e ir anotando, mas aqui vão algumas perolazinhas da semama passada:

"Cadê  meus piminhos galinhas?"
"Quem são seus priminhos galinhas?"
"O Vinicius e a Ísis cócócó cócócó."


Alice pega seu Crocs rosa,coloca perto da minha blusa e diz:
"Combina com sua busa rosa..."


Na sala que tem uma caverna do museu da Vale:
"Nós somos bichinhos..."
Duas senhoras aparecem e Alice pergunta pra elas:
"Que bicho vocês são???"


No domingo voltamos no museu e assim que Alice entra reconhece o local e pede:
"Quelo í na caverna..."


Alice contando de 20 até 30 e eu ajudando, quando chega no vinte e nove ela segue:
"Vinte dez."
Eu e uma amiga que estava em casa caimos na risada e Alice pergunta com a cara e entonação mais fofas:
"Não é vinte dez?"

Alice com "coroa de pincesa" dançando com os famosos...



5 de setembro de 2012

2 anos! (17 de agosto)

Como no aniversário de 1 ano que tem post aqui, a festinha de 2 anos também foi no parque. É uma festinha complicada, pela manhã, lugar público, mas é o "quintal" da Alice, então a gente organiza e dá tudo certo.
 A festa estava marcada para começar as 9:00 e antes das 7:00 papai saiu pra buscar o bolo, enfrentando o congestionamento para voltar. Depois foi buscar as comidinhas do outro lado da cidade, enfrentando congestionamento de novo.
Enquanto isso a equipe de apoio (madrinhas, vovós) decoravam o parquinho com enfeites de Princesas e balões e recebiam a cama elástica e casinha que alugamos.
 O sol apareceu depois de uma semana inteira de tempo nublado e o vento de agosto veio com tudo, derrubando enfeites, balançando as toalhas de mesa.
O suco congelou e o papai ficou desesperado tentando descongelar de forma rápida, foi caixa de suco até para "banho-maria" com a agua do chuveiro minha gente...
Bem, aniversário no parquinho é mesmo para Alice e seus amiguinhos, foram mais de 50 crianças e seus acompanhantes, pai, mãe, vó, vô, babá...e tem ainda as pessoas do parque que Alice "tem amizade", pessoal da limpeza, jardineiro, pessoal da administração. Fora do convívio dela no parquinho só vieram um casal de amigos com a filha da mesma idade, uma amiga que era virtual com o filho, vovó Tereza, vovó Elza, vovô Josimar, madrinha Cláudia, dindinha Nayara, Maurício, Lísia, Viviane com a filhota Gabriela e apareceram também duas crianças que não costumam frequentar o parque e lógico foram chamadas para a festa.
 O tema das princesas e as cores dos balões foram escolhas de Alice, essa menininha tem opinião, desde que ofereci as festa da Tinkebell uns 3 meses atrás e ela disse um sonoro não e que queria das "pincesas" não mudou de idéia. E eu descobri que mãe de princesa nem sempre é rainha, por aqui somos súditos muito felizes dessa princesinha.
E lá vão as fotos da Janette Oliveira com alguns detalhes da festinha que foi uma delícia.

Bolo de morango
A casinha que fez o maior sucesso com Alice e os amiguinhos.
Se sentindo a Cinderela.
Hora do parabéns quase o vento não deixa acender as velas...
Frutas e fiancier de chocolate e laranja.
Pão de queijo, biscoito de queijo, pipoca, croissant de damasco e goiaba...
comidinhas de café da manhã para combinar com o horário da festa.
Na cama elástica.
-
-
-
 CD de música da Palavra Cantada e
Pequeno Cidadão de lembrancinhas.
Final de festa, suco de uva e muita terra no
vestido e foto com os presente, feliz, feliz...

28 de agosto de 2012

Pérolas de Alice (24 de infinitas)

"Põe um cabelo de Banca de Neve aqui."
apontando a própria cabeça


Alice sentada no meu colo bate as mãos na minha blusa e pergunta?
"Que isso?"
"Meus peitos."
"Cadê os meus peitos???"


 Alice acha os fones de ouvido do celular do pai e vem com eles brincando de médica:
"Faz ahhh pra eu ver seu dodói."


Alice pulou em cima da bolsa de plástico e viu que quebrou:
"Eu sinto muito, sinto muito."


Chegamos no parquinho na segunda depois da festinha de aniversário e Alice pede:
"Quero ir lá em cima no meu anivesário."


Alice vê a almofada e pergunta:
"Que leta é essa?"
"Letra U." ( era almofada de amamentação)


Quando chegamos na casa do primo de 6 anos e da prima de 4 anos que ela não via faziam 2 meses Alice abraça eles e fala:
"Meus pimos gandes, eu sou menor."


Alice experimenta kibe pela primeira vez e gosta, eu faço o prato dela e pico o kibe, e ela não aceita:
"Quero kibe arrumado." diz ela apontando para os kibes inteiros.


Dou uma banana pra Alice que comenta:
"Ela é amalela, cor da minha cor peferida."
 

Estava sentanda num banco de bar conversando com minha cunhada e Alice brincando com os primos quando percebo que ela está com sono, levanto e vou até ela:
"Filha vem tirar uma soneca no colo da mamãe."
"Não."
"Vem filha, só um pouquinho, você está com sono."
"Não. Vóta po seu banco..."


 P.S.: Viajamos na quarta e voltamos no domingo a noite, as pérolas se perderam pelo caminho e atrasaram...



20 de agosto de 2012

Pérolas de Alice (23 de infinitas)

 Acaba de tomar água olha o escrito no copo (AVENT) e diz:
"Aqui está esquito á-gua."


Tinha uma imagem da Minnie bebê no computador e Alice vê de longe, se aproxima falando:
"Quero ver a Minnie , ela é muito bonitinha, fofinha..."
 Senta no meu colo e pede mais:
"Quero ver o Pateta fofinho, o Puto fofinho..."


Alice pega um barquinho de plástico e diz:
"Peciso de água."
"A mamãe vai arrumar água de faz de conta pra você."
Vou até a estante e começo mexer nas coisas procurando algo que possa ser água de mentirinha e lá vem Alice num tom desesperado, mostrando a estante com o dedinho:
"Não tem água aqui, não tem água aqui..."


Brincando com massinhas:
"Faz uma nave, mamãe."
"Um foguete?"
"Nããão."
Eu faço algo parecido com um disco voador ela dá um sorrisinho de satisfação e pede:
"Agora faz um foguete."


Brincando com fita crepe, dou um pedaço pra Alice que pede:
"Me dá uma fita maió."
Eu dou um pequena pra testar e ela olha e continua:
"Eu quero uma maió."
então eu dou uma grande e ela aceita feliz...


Chegamos do parquinho deixo Alice na sala, ela senta no chão e depois levanta sem o sapato dizendo:
"Tô descalçada..."


A vovó que faz vestidos pra Alice chega em casa e logo ela pede:
"Vovó faz fantasia de Banca di Neve pá mim."


Alice estava tomando água quando eu pergunto:
"Já acabou?"
"Ainda não."
E logo depois:
"Ainda sim."


Estamos todos na sala, vovó Tereza, vovó Elza, vovô Josimar, madrinha Cláudia, papai, mamãe e Alice abrindo presentes, quando ela vê uma princesa e pergunta:
"Qual o nome da Bela Adormecida?"
"Aurora."
"Qual o nome da Bela Acordada?"
 A risada foi geral e ninguém respondeu...

14 de agosto de 2012

Das coisas que aprendi sobre alimentação (da Alice)

Alice está fazendo 2 anos essa semana e com isso são 24 meses sendo mãe em tempo integral, cuidando de tudo. Sobre a alimentação eu já tinha muitas teorias, pois tive primos bem mais novos, sobrinhos, e a experiência como professora de crianças pequenas.
E então lá fui eu para prática, e sinceramente muitas das coisas que eu imaginava se confirmaram:

- oferecer variedade de alimentos antes de 1 ano ajuda a manter a qualidade da alimentação quando a criança entrar na fase de não aceitar bem alimentos novos;
- se a criança parar de comer algo que costumava comer, parar de oferecer por um tempo e depois voltar e nunca falar perto da criança que ela não gosta de algo;
- prestar atenção na quantidade de comida que a criança come para não encher demais o prato e ter noção se a criança está comendo bem ou se está diminuindo muito;
- mesmo antes da criança falar, perguntar se quer continuar comendo se ela não está mostrando interesse, mostrar quando comeu bem, elogiar e principalmente respeitar os dias que a criança não está com apetite;
-evitar oferecer alimentos que a criança gosta muito sem acompanhamentos, corre o risco da criança começar a querer comer apenas esses alimento e não aceitar outros;
- deixar um intervalo de 2 horas e meia a 3 horas entre as refeições, principalmente antes das refeições principais, almoço e jantar;
- se a criança não quiser comer em uma refeição, esperar o horário mais próximo possível da próxima refeição;
- ter uma rotina de sempre oferecer o mesmo tipo de alimento em determinada hora do dia, por ex: leite pela manhã e a noite, fruta no lanche da manhã e tarde;
- saber os alimentos favoritos da criança para ajudar nos dias que ela não estiver com fome ou que estiver dodói;

Esses dias Alice estava almoçando muito menos do que o usual. Parei para analisar e percebi que a minha mocinha andava pedindo biscoitos parquinho a fora. Ela adora biscoitos de polvilho e agora que é indepentende e não tem vergonha nenhuma é só ver uma vasilha que vai até a pessoa e pede mesmo. Não é fácil lidar com as influências que vem de fora e quanto mais a criança estiver em contato com outras pessoas mais elas vão aparecer.
Hoje resolvi começar a tentar reverter a situação. Alice tomou leite quando acordou e comeu pão. Antes de sairmos para o parquinho comeu uma banana. Tomei o cuidado de manter ela distante das comidinhas dos amigos do parquinho.
Aproveitei o tempo friozinho de hoje e fiz uma sopa com ingredientes variados e com lentilha que ela adora e macarrão de estrelinhas que é divertido. Bingo! Alice comeu o tanto que costuma comer e ainda um pouquinho mais.
Eu sei que muita teoria sobre qualquer coisa que a gente tenha pode não se realizar na prática, mas somos seres com raciocínio e podemos sim, aprender observando e tirando conclusões mais acertadas.



azeite, cebola, alho, sal, curry, carne moída, cenoura, abobrinha, batata, lentilha e macarrão.








13 de agosto de 2012

Pérolas de Alice (21 de infinitas)

Continuando a saga Saltimbancos em que Alice é a galinha, estou colocando a mochilinha guia dela  que é um dálmata e ela solta:
"Estou tansformano em cachorro..."


Estava falando pra Alice sobre o Dia do Pais e a moça que limpa aqui em casa, a Elaine, arrumando a cozinha então Alice fala:
"E o Dia das Elaines?"


Encontramos duas meninas de uns 8 anos na praça, cada uma com um cachorrinho e Alice para pra interagir e pergunta:
"Qual seu nome?" pra uma
"Júlia."
"Qual seu nome?" pra outra
"Júlia."
Então quando vai embora Alice se despede:
"Tchau Júlias."


Ainda Os Saltimbancos...
O pai chega em casa e pergunto:
"Quem chegou?"
"O burro."


E voltando do parquinho com a mochilinha guia de dálmata Alice lembra do seu personagem dos Saltimbancos,para e começa gritar:
"Tira, tira, sou uma galinha."


Esperando o elevador no nosso andar Alice começa a perguntar e responder:
"Que forma tem essa porta? Retângulo."
"Que forma tem o elevador? Retângulo também."
E depois me pergunta apontando a porta do ap da frente:
"Quem mora nesse retângulo?"
"O vizinho, filha."


Coloco um broche de borboleta com strass na blusa de Alice, quando ela está sentando no cadeirinha do carro ela observa:
"É bilhante e bonito."


Na casa da avó começa a passar o filme "Encantada" na TV e Alice fica hipnotizada nas primeiras cenas, quando a princesa está na chuva ela diz:
"A chuva está istagano o vestido dela." 


O papai se esconde atrás do sofá e sai de repente engatinhando pra assusta Alice, ela sai correndo e gritando:
"O papai está andano com as mãos."


De manhã Alice pede pão e o pai diz:
"Come o pão da sua mãe."
Ela olha pra mim e solta:
"Eu não quero o seu pão, eu quero o meu pão."


No Dia das Mães, Alice me deu o presente e toda vez que perguntávamos que dia era, ela respondia "Dia das Mamães", ontem no Dias do Pais, a mesma coisa, deu o presente, mas quando o pai perguntou que dia era a resposta foi:
"De nós dois."
E assim respondeu até a noite toda vez que perguntamos...


Essa semana Alice começou elaborar frases mais extensas e com sujeito, artigos e verbos usados de forma mais correta, continua com dificuldade pra falar o erres como em preto, branco e os eles como em Pluto...então já viram como ela fala o nome desse personagem né.

10 de agosto de 2012

Neofobia alimentar

Eu já havia observado muitas  crianças que perto de 2 anos ou pouco tempo depois relutarem em experimentar alimentos novos. Daí que me veio a "brilhante" idéia, policiar a alimentação da Alice, abolir os vilões da alimentação e quando essa fase chegasse seria tudo de bom.
E agora pertinho dos 2 anos Alice chegou nessa fase, só experimenta algo novo se a textura ou aparência lembrar muito algo que ela já tenha experimentado. Se por um lado é ótimo pois ela tem a alimentação muito saudável por outro lado tem tantas coisas boas para ela ainda provar.
Lembrei disso agora a pouco, coloquei suco na garrafinha dela e ofereci:

"Que suco é esse? num tom de desconfiada
"De maçã e pera, toma filha, é uma delícia."
"Não quero esse suco." categórica e não provou de forma alguma.


Lógico que vou continuar oferecendo e incentivando ela experimentar coisas novas. Sempre falo que se ela não gostar pode devolver sem engolir, por enquanto ela não aceita, acho que ainda é um conceito que ela não entende, mas vamos tentando, pelo menos o interesse dela atual ficou limitado à toda a alimentação saudável que procuramos oferecer até agora, o que me tranquiliza para lidar com essa fase.
Encontrei um texto muito bom aqui do qual eu tirei alguns trechos interessantes:


Apresente novos alimentos à criança, mas um de cada vez, juntamente com outros alimentos que ela já conheça e que goste;

• Face à recusa alimentar:

Não obrigue a criança a ingerir o alimento (“Não sais da cozinha enquanto não comeres tudo”);

Não a castigue se ela não quiser ingerir o alimento (“Se não comeres tudo, ficas de castigo”);

Não utilize alimentos como recompensa (“Se comeres tudo, ganhas uma sobremesa”);


Dê tempo à criança e respeite o seu ritmo, mas não desista de lhe oferecer novos alimentos. Poderá ser necessária a apresentação de, pelo menos, 8 a 10 vezes de um mesmo alimento para que este comece a ser aceito pela criança;

Permita que o seu filho brinque com os alimentos enquanto prepara as refeições. Aproveite para apresentar-lhe o novo alimento e permita-lhe desfrutar de momentos divertidos com o alimento;

Altere a apresentação do novo alimento, tornando-o mais apelativo e atractivo para a criança;

Transforme as refeições em momentos positivos e divertidos para a criança. Se o novo alimento for apresentado num contexto emocional positivo, o seu filho tenderá a aceitá-lo mais facilmente;

Dê o exemplo e permita que o seu filho o/a observe a comer o alimento e a retirar prazer da sua ingestão. Se o seu filho observar os pais e os irmãos a comerem o novo alimento, tenderá a aceitá-lo mais facilmente.


6 de agosto de 2012

Pérolas de Alice (20 de infinitas)

 Alice se joga água na roupa e vem bem mandona:
"Minha blusa tá molhada tem que trocar, minha cóça tá molhada também, tem que trocar."


Alice mexendo nas coisas do pai ao lado da nossa cama, com um fone de ouvido na mão diz:
"Tô desestagano."
"Que?"
"Tô desestagano."
"Não pode filha é do papai..." e então eu entendo o que ela estava querendo dizer:
"Tá consertando?"
"Aham."
O pai entra no quarto e eu conto, ele fala:
"Você é uma consertadeira filha."
"Consertadezinha."
Ela é sempre diminutivo...


De manhã. logo depois de acordar, Alice abraça a perna do pai e a da mamãe junto e fala:
"Saudade de vocês."


Mamãe na academia e o papai em casa cuidando da Alice percebe um sinal de carinha de coco:
"Quer fazer coco?"
"Ainda não..."
Passa um tempinho ela diz:
"Saiu."
"Saiu o que?"
"O coco...os dois."


Alice brincava sozinha com um ursinho e o edredon quando escuto:
"Tô brincando de faz de conta."


Alice encontra um galho no chão do parquinho, pega e faz um movimento com a mão dizendo:
"Vou fazer uma mágica."


 No parquinho pego Alice no colo e percebo que ela tem algo na boca e pergunto:
"Alice o que vc tem na boca?"
"Água."
"Água da onde?"
"Da boca."


Alice já estava fazendo arte com a água e quando eu pego a garrafinha caem umas gotinhas no seu rosto:
"Pinguei sorine sossinha." diz ela toda feliz


Alice se apaixonou por um "sucumarino" no parquinho e o amiguinho emprestou, em casa na hora do banho ela fala para o submarino:
"Que bonitinho, você vai nadar no banho." 


 "Toma o leite até fazer barulhinho"
"Já fazeu? Ainda não."


Alice faz algo que nem vi e fala:
"Desculpe, desculpe."
"Tudo bem filha"
"Tá desculpada "
  

"Somos Clarilus."
e eu começo cantar:
"A, E,I,O,U...é o jardim da Clarilu" e ela canta junto, depois diz:
"Somos cantadoras."


Procurando pecinhas de túnel,enquanto brinca de Pequeno Engenheiro:
"Cadê o tuninho, cadê o tunão?"


Na loja, comprando coisas para a festinha de aniversário, pai e eu tínhamos que escolher toalha de mesa de poás ou xadrez, e eu resolvo perguntar pra Alice:
"Olha filha você quer toalha de bola ou de quadrado?"
"A xadrez. "


Tentando comer um biscoito grande:
"O biscoito não cabe na minha boca"


Papai pega Alice com um pinça na mão:
"Você não pode brincar com isso."
"Como chama isso?"
"Pinça."

 Alice olha pra mamãe e fala:
"A mamãe é uma gatinha."
O papai pergunta querendo escutar algo parecido:
"E o papai?"
"Um burrinho..."
e completa:
"Eu sou uma galinha, cócócó."
E então entendendemos que ela estava brincando de Saltimbancos..."


 Tomando água no carro Alice derruba um poudo e diz:
"Oops, desculpe."
Eu começo a rir e ela pede:
"Fala tudo bem."


Faz de conta é o que mais resume essa fase que Alice está, fantasia com tudo o tempo todo...



1 de agosto de 2012

amamentação

Então, depois de 23 meses, a mamãe aqui vem contar da amamentação??????? Sim, aproveitando o Dia Mundial da Amamentação vou contar a minha história.
Mesmo antes de engravidar eu pensava na amamentação como sendo a coisa mais natural, para mim sempre foi algo lógico o leite materno ser o melhor alimento para um bebê.
Pouco antes de ter Alice, comprei blusas para facilitar a amamentação, sutiãs e pronto, acreditei que por mais difícil que fosse, era algo que aconteceria.
Durante a gravidez eu me orgulhava da barriga e dos seios crescendo. Nas últimas consultas com a GO ela verificava se eu já tinha colostro e não saia sequer uma gotinha e a GO que dizia que eu teria muito leite, parou de tocar no assunto quando me examinava. E receitou Plasil, para o leite "descer" (descer da onde minha filha????)
Alice nasceu esfomeada, do meu quarto eu via (circuito interno de TV) ela chorando sem parar no berçário. Assim que chegou no quarto e foi colocada pra mamar pegou o peito direitinho, foi um momento mágico.
Já passava das 22:30, pois Alice nasceu as 21:20. Ela ficou alí aconchegadinha em mim e dormiu. E assim começamos nossa aventura como uma família, papai, mamãe e Alice.
Eu pensei vai ser fácil, ela sente fome, o pai me ajuda a colocá-la no peito, pois eu havia acabado de passar por uma cesarea, ela mama e dorme e nós também...
Mas, não foi bem assim. Alice chorava de fome, mamava um pouco e continuava chorando, chorando, chorando. Não conseguia dormir, chorava, chorava, chorava e eu tentava amamentar.  Tirava uns cochilos, depois de cansar de chorar, e acordava chorando muito, era colocada no peito, sugava um pouco e voltava a chorar. Pedimos ajuda e as enfermeiras disseram que poderiam dar um pouco de leite no copinho, até o leite "descer". Aceitamos, e assim passamos a noite tentando amamentar de hora em hoa e dando um pouco de leite no copo. Essa foi a noite mais longa da minha vida e quando amanheceu papai e mamãe estavam exaustos, mas acreditando que o dia seria melhor. Foi a mesma coisa, peito e depois copo com leite, e contando as horas para o leite descer.
Deixamos a maternidade na manhã seguinte, acreditando que em casa tudo seria mais tranquilo. Que nada, eu tentava amamentar no peito, não conseguia muito sucesso, Alice chorava de fome, dávamos o NAN no copo, ela não conseguia tomar direito, ficava nervosa, chorava mais e mais. Alice nasceu na terça a noite, no sábado voltamos com ela para maternidade e o pediatra avaliou que ela continuava perdendo peso. Saímos da maternidade direto pra farmácia para comprar uma mamadeira decente para alimentar Alice (não havia comprado nenhuma antes pois tinha certeza da amamentação). Ver Alice tomando leite na mamadeira foi extremamente difícil pra mim, mas também ver ela saciada da fome que andava passando foi um alívio.
Na segunda tivémos a primeira consulta com o pediatra que me tranquilizou dizendo que o pouco que Alice estava mamando no peito era suficiente para fortalecer o sistema imunológico dela.  Mas...e o tal do vínculo mãe-filho? E tudo o mais que a amamentação faz pelo bebê??? Senti que estava condenando minha filha a ter várias doencinhas, ser menos inteligente, ficar doente facilmente. Fiquei péssima. Fiz tratamento homeopático, tirei leite com máquina para tentar aumentar. Lutei por 2 meses e meio...e não deu.
Seguimos adiante, por tempos fiquei paranóica, somente eu ou o pai podia dar mamadeira para Alice. Anotava a quantidade de leite que ela tomava em cada mamadeira. E o tempo foi passando...
Com 3 meses e 10 dias Alice começou a comer frutas e tomar sucos, adorou desde a primeira colher de banana e parecia que tinha nascido sabendo comer.
Depois vieram as papinhas com ingredientes orgânicos que o pai buscava em feiras bem longe de casa. E nossa pequena foi crescendo, forte e saudável.
Hoje eu consigo enxergar que tem muito, mas muito mais que uma mãe pode fazer para um filho além e tão importantes quando a amamentação para criar vínculo, para a saúde, para o desenvolvimento psicológico e motor.
Eu não tenho idéia de como seria Alice se tivesse sido amamentada, mas sei que ela aos 23 meses é saúdavel, raramente adoece e se adoece não necessita de medicamento forte ou mesmo nem precisa ser medicada.
Alice andou com 10 meses e com 23 meses faltam poucos fonemas para ela conseguir falar. O pai sempre pode cuidar dela de igual pra igual com a mamãe aqui, o que desenvolveu um vínculo forte entre os dois, ninguém fala de vínculo entre pai e bebê, mas é tão importante quanto o vínculo mamãe e bebê.
Essa é a nossa história, continuo tendo certeza que o leite materno é o melhor alimento pra o bebê, mas não gosto da forma como as campanhas são feitas, me senti péssima e conheço muitas mães que passaram pelo mesmo medo que eu passei num momento tão delicado que é o pós-parto e os primeiros meses cuidando de um filho.

30 de julho de 2012

Dica para quem mora em BH

Faz um tempinho que utilizo a farmácia de manipulação Amphora e uma vez que marido foi à farmácia com Alice e ela ganhou amostrinhas de shampoo e condicionador infantil. Eu também queria encontrar um shampoo novo pra Alice pois uma mãe-amiga-blogueira a Larissa havia me alertado sobre substâncias tóxicas contidas nos shampoos da Johnson & Johnson.
Primeiro li sobre os ingredientes, depois testamos no cabelo da Alice. Eles são ótimos, suaves, cheirinhos bom. Deixaram os cabelos da Alice macios e com brilho e muito importante, não arde os olhos!
Sábado passei por lá para comprar shampoo e condicionador e pedi amostras para dar pras mães que conheço por aqui, mas ganhei apenas uma amostra, umazinha, eu que já tinha uma lista em mente tive que escolher apenas uma criança dessa vez. Mas sempre que for comprar o kit vou pedir amostrinhas para fazer a propaganda gratuita que eu adoro fazer de produtos e serviços que eu gosto.


Pérolas da Alice (19 de infinitas)

 Eu tenho uma bermuda com um rasgo proposital, outro dia Alice passou o dedinho e:
"Estagou sua calça. tadinha da mamãe, tadinha de você."

Alice sai de carro com o papai e ele avisa que vão à farmácia, de dentro do carro ela anuncia:
"Estou vendo uma farmácia."
E quando entram:
"Eu gosto de farmácia."

Diálogo entre Alice e a moça que limpa aqui em casa que chegou com uma sacola colorida:
"Que você trazeu?"
"O que eu truxi? Um cachecol.."
Nem tive coragem de corrrigir Alice né...

Deixo o creme contra asssadura novinho no sofá e vou até o quarto pegar fralda, quando volto Alice tinha mordido o tubo pra valer:
"Para de morder o creme, poxa filha o creme tava novinho..."
"Estagou????"
"Sim estragou."
"Arruma mamãe, arruma."

Papai dando banho na Alice, ela pede:
"Me dá a bucha, tá no alto, você alcança."

No elevador com a mamãe:
"Que falta aqui?"
"Não sei, Alice."
"Que falta aqui?" e mostrava o canto do elevador...
"Não sei, filha, o que falta?
"O papai."

Alice viu um senhor tocando sax na praça, mais tarde pergunto:
"Que cor era o saxofone do moço da praça, filha?"
"Dourado."

Alice tentando entrar no meio do banquinho de madeira:
"Não cabo, não cabo..."


"Quer melancia, Alice, está uma delícia..."
"Não, obrigada."

Alice dando trabalho pra trocar a fralda eu falo:
"Você não quer ir pro parquinho?"
"Você vai sozinha."

"Onde nós vamos? Na casa da vovó." pergunta tanto que ela mesma anda respondendo...
"Qual vovó?"
"Casa da Éza."
"De quem mais?"
"Do Josimar."
"De quem mais?"
pensa um pouco e:
"Eu não sei..."

Sábado a noite, acabamos de deitar e Alice acorda, papai fala pra mamãe descansar que ele vai cuidar da pequena e vai pro quarto dela, ela chorando e chamando a mamãe e ele todo paciente explicando:
"Mamãe vai ficar na cama dela e o papai que vai cuidar de você hoje."
Alice para de chorar, respira fundo aponta o dedinho pra porta e:
"Sai da minha cama..."
Logo ela aceitou e os dois dormiram juntinhos.

Papai chamando a atenção da Alice que estava subindo no rack e ela nada de parar, então ele pergunta:
"Filha você está escutando?"
"Não."



23 de julho de 2012

Pérolas de Alice (18 de infinitas)

 Passando a propaganda do novo filme da Tinkerbell (aparece uma "cópia" da Tinker), pergunto pra Alice:
"Quem é aquela?"
"Tinkerbéis"

Olhando as gotinhas de água no meu braço durante o banho ela solta:
"Láguima."

Ainda na cama de manhã escuto um avião:
"Escuta, barulho de avião."
"Ele voa no céu, bate asas..."
"Não, filha ele não bate as asas ele tem motor."
"Motor, motor."

No parquinho:
"Que som é esse?"
"É um helicóptero."
Faz essa pergunta sempre que escuta um barulho que ela não identifica.


Estava vendo um vídeo da Alice aos 3 meses de vida só de fralda no berço quando ela chega perto de mim e fala:
"Nenê Alice tá pelada."

Com o boneco do Super Homem na mão:
"Ele voa. Mamãe voa?"

Alice brincando de fazer comidinha:
"Preparei sua comida" e me dá a colher na boca,
Eu falo:
"Humm...está uma delícia."
"Obrigada, obrigada pá mim"

No banho Alice olha pra mim e fala:
"Flor, florzinha, florzinha..."
depois tenta me lavantar falando:
"Vô te colocá no galho."

Papai segura o rosto da Alice e fala:
"Você é uma figurinha..."
ela faz o mesmo e fala:
"Papai figurão."

Mamãe no quarto pintando o cabelo e Alice chega da padaria com o papai:
"Pinta meu cabelo de remelho..."

Alice fantasia muito, fala alto enquanto brinca, conversa com os brinquedos.
Essa semana que passou ela começou me incluir no faz de conta,  virei a  "mamãe ursa" um dia inteiro,uma noite passou e me chamar de "Minnie". Eu entro na fantasia e ela me abraça toda feliz quando eu faço voz diferente e respondo quando ela me chama.
Ela também pergunta sobre tudo o que não sabe o nome, ouço "O que é isso?" o tempo todo e agora tem a frase "Que mais?" que anda me dando trabalho, outro di foi quando mostrei para ela a lagoa da Pampulha de dentro do carro:
"Filha, olha a lagoa."
"Que tem?"
"Tem peixe."
"Que mais?"
"Sapo."
"Que mais?"
"Pato."
"Que mais?"
"Passarinho que toma banho na lagoa."
"Que mais?"

Eita lagoa grande que não acabava mais, imagino quando chegar a fase dos porques...






20 de julho de 2012

Dia do amigo

Hoje é Dia do Amigo e achei um bom dia para um post rápido para nós, pais e mães refletirmos sobre a amizade dos nossos pequenos e a sexualização precoce de que tanto ouvimos falar e vimos hoje em dia.
O que uma coisa tem com a outra??? Me fala se você papai e mamãe já usou ou ouviu a palavra namorada ou namorado quando se fala de duas crianças de sexos opostos que brincam juntas ou frequentam a escolinha ou são filhos de amigos????
Quando eu era pequena, não existia esse papo de namoro antes da gente mesmo ir descobrindo no início da adolescência a sexualidade. Eu não tive namoradinhos de infância, eu tive amigos, amigas e brinquei como criança até depois de 12 anos.
Alice tem contato com muitas crianças, acredito que vão nascer muitas amizades boas dessa convivência e talvez, quem sabe, um dia...algum namoro. Mas não sou eu ou o pai que vamos incentivar esse pensamentos em uma criança tão pequena, deixa ela ser criança até ela mesma não aguentar mais e querer passar pelas trasformações tão conturbadas da adolescência.